Véspera.

PARA OUVIR: FILIPE CATTO - REDOMA


um sinal
e inteira
me colocaria de pé
relutando frente à alegoria das horas
um beijo da lua
e quisera não ter
descerrado as cortinas
num domingo qualquer
após andar em círculos
e elaborar roteiros
imaginários
de amor
ao som de Unchained Melody
que merda,
mas há sempre uma janela aberta
a me lembrar
que noutras palavras,

sou muito romântica.
"Ainda estou crua. 
Digo que posso voltar. 
Você sabe para que servem as mentiras". 


(Sylvia Plath) 

Quem sabe lá no trópico a vida esteja a mil.



386 dias hoje
se bem me lembro,
desde que eu disse
(presunçosa que sou)
não me deixar levar por 
galanteios poéticos

não vi vestígio
mas lá
o nome em suspensão
me lembra 
todo dia
o percurso das horas 
em que eu me punha 
disponível
entregue
cedendo 
àquela cortesia
 inflamavelmente adorável
de todas as palavras
sutilmente
arrastadas em "s" 

teu erro foi falar dos olhos
quando na verdade
todo o meu corpo
é de espera

e toda noite
ainda
me converto em água

os pulmões derrotados
ilícitos dos ventos
que te guardam
me empobrecem a voz
que fala

(tudo aqui é em sentido figurado):

eu adoraria
se você ousasse.



Título: Tudo Outra Vez - Belchior
com sangue também 
se fala do tempo
e essa mancha 
em minhas mãos

pungente
se atreve
a conjecturar
dias de fuga
verdades convenientes
ruínas

pensa
em devolver-te
o absurdo da palavra

e assim
só pela surpresa
te concluo
súbito
somando todas as coisas,
é claro

enquanto
outra vez
imaginativamente
me ponho à tua porta:
vim só pra ver
e visitar
o vulnerável 
em ti.