22 de jan de 2012

ÍMPETO.


Quantos são os passos que ficaram para trás?
Quem colocou nos dias peso demais
E virou fragmento no meio da explosão
Quem optou pelo sim ao invés do não.

Quem teve de viver a dor da despedida?
Quem quis morrer dentro da própria vida?
Vendo o mundo da janela e reclamando do tempo
Alguém no meio da tempestade correndo na direção do vento.

A rima, o verso, o eco da voz
Música sem ritmo, dó sem mi
Vejamos então, estamos sós
A gente é feito pra caber no fim.

9 comentários:

  1. A gente feito pra acabar (já que jeneci fora citado)

    ResponderExcluir
  2. " A gente é feito pra caber no fim"

    Muita verdade eu encontrei por aqui, eu sigo.
    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  3. Poeticamente belo!

    ________________________

    Eu a vi no grupo do face, "blogueiros" .

    ResponderExcluir
  4. A partida é a ida que torna de volta, os que nunca se foram.

    Meu abraço,
    Sam.

    ResponderExcluir
  5. Poema lindo!Nós temos o livre arbítrio para seguir amplos caminhos, mas não para o fim.Morremos sós.Cruel e verdadeiro.

    Fernanda

    ResponderExcluir
  6. Amigos, o meu blog "A Pequena Notável .poesia do cotidiano." foi alterado para o endereço abaixo:

    http://samarabassi.blogspot.com/

    Peço que atualizem e agradeço.
    Meu abraço,
    Sam

    ResponderExcluir
  7. Quem sabe um dia, e que seja logo.
    Perfeita poesia, Déborah. =*

    ResponderExcluir

À você, um sorriso capaz de derreter o mais frio dos corações.