24 de fev de 2013

MEIOS DIAS GASTOS.


De novo esse olhar pra dentro. De novo essa sensação. E o momento em que eu me assusto por não estar inteira, enquanto alguém me aconselha que "é só a forma como você olha".
E continuo. Me continuo. Porque não há como escapar, afinal...
Dias cheios. Roupas no varal. Peito encharcado.
E um texto onde tudo é ponto. Como se enfatizar as coisas fosse ignorá-las [...]

9 comentários:

  1. Enfatizando - as que as tornamos mais importantes no momento, mesmo não tendo muita importância para ambos. Beijos


    Mundo de Nati
    @meuamorpravoce

    ResponderExcluir
  2. LIIIINDO <3
    amo esse lance de dar pausa. acho bonito esteticamente, mas principalmente, quando for visto o lado da emoção, é o que corta e o que aumenta, ao mesmo tempo.
    lindo.

    ResponderExcluir
  3. A gente escreve as coisa como se tivesse colocando o sentimento no papel. Dai fica tudo cheio de ponto, de virgula, de pausas dramáticas.

    Boa noite moça. "_"

    ResponderExcluir
  4. Enfatizar até pode não ignorar. Antes pelo contrário.

    Mas, pontuando. Cadenciando. Dá tempo de ler. De ver. De respirar. E aí, quem sabe?

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Mas é preciso ser assim... continuar (a)diante, mesmo sem mapas nem bússolas nas mãos. Só de coração.

    beijo na alma, Déborah

    Sam.

    ResponderExcluir
  6. Ando tendo uns dias assim, não gosto muito, é um incomodo ruim no peito... Mas cá tenho uma vontade extrema por 3 pontinhos, um não, três, como se pudesse haver uma continuação mesmo que já não haja espaço para um recomeço só para cuidar do meu coração... Sei lá...

    ResponderExcluir
  7. "E o momento em que eu me assusto por não estar inteira"
    Sofro desse susto todos os dias em que paro pra me olhar mais adentro.

    belo.

    ResponderExcluir
  8. Quando não estamos inteiras palavras imediatas dificilmente tem alguma eficácia sobre o preenchimento disso ou daquilo. Queremos nos encolher, recolher durante um tempo que não sabemos quando vai acabar ou se vai acabar. Mas sempre acaba, não é? Mais cedo ou mais tarde a gente percebe, acorda, cria coragem sei lá de onde pra seguir, um passo de cada vez, e lá estamos, vulneráveis ao mundo e a nós mesmas de novo.

    ResponderExcluir
  9. Venho deixar um abraço imenso e retribuir o carinho, seja por tantos anos, ou por alguns dias. Mas principalmente, pela troca e bonitezas que surgem e dos amigos que conquistamos e que no fundo, no fundo, não são tão virtuais assim...

    Tem um presente pra você aqui: http://ancoradanoriso.blogspot.com.br/2013/03/vasto-coracao.html

    Espero que se sinta num abraço e que goste.
    Deixo o meu carinho.
    Beijo na alma,
    Sam.

    ResponderExcluir

À você, um sorriso capaz de derreter o mais frio dos corações.