28 de nov de 2013

OBTUSO.


 
Imensa em dor, imersa em silêncio. Persuadida e só e tão maior que um céu vasto em lágrimas. Palavras queimam numa reza ao tempo para que não morra a carne entristecida. Não mais ecos, não mais poemas emprestados, não mais confidências. Uma imensidão de acasos como presente ao dia que ainda insiste em amanhecer no mundo de quem mesmo sem tentar, acaba de desistir. Voltar à nós: Nossa única vida. E fuga.

3 comentários:

  1. O ir às vezes, fica sem precisar. E nos atormenta, como também faz a água rolar. Desaguar o verso e todo o lodo acumulado por baixo das pálpebras, é um árduo exercício. E farto, também.

    Lindeza, Déborah.

    Beijo na alma, querida.
    Samara Bassi

    ResponderExcluir
  2. A tristeza sabe imensidões que nos apequenam.

    ResponderExcluir
  3. De uma delicadeza ímpar e de uma tristeza universal.

    ResponderExcluir

À você, um sorriso capaz de derreter o mais frio dos corações.