21 de dez de 2013

AXIOMÁTICO.

Ilustração: Adara Sánchez


 Palavras declinam numa frágil e inútil tentativa de fuga enquanto os dias se dão em frases inversas. Me comprimem, sufocam e passam alheios. Ao vento mudo, ao vinho quente, à mim, que já não estou posta à porta porque não mais espero. E eu quase que te nomeio esquecimento. Mas te perdoo por levar mais do que verdadeiramente tenho, dessa vida, que já é definitivamente morte, desde o início dos tempos. E te repouso nesses versos frios e tristes de quem por dentro sangra, querendo doer em tua companhia.

4 comentários:

  1. Foda <3

    "E eu quase que te nomeio esquecimento"
    Isso é lindo.

    ResponderExcluir
  2. "E eu quase que te nomeio esquecimento..."
    Lindimais!

    ResponderExcluir
  3. ''... querendo doer em tua companhia.''

    A definição dos meus últimos dias de 2013.

    ResponderExcluir
  4. Grandes frases num texto imensamente intenso. Que bonito!

    Déborah, que o seu 2014 seja intenso e bonito assim. Obrigado por sua presença em meu blog durante o ano. Um grande abraço!

    ResponderExcluir

À você, um sorriso capaz de derreter o mais frio dos corações.