9 de fev de 2014

Na rua ia
Tempo ruía
E nada

Enquanto aqui dentro
Eu
Arruinada.

7 comentários:

  1. (ar)RUINA(da)
    sem rumo
    desaba,
    e não acaba
    nem me cabe.
    tão pouco me sabe.

    beijo meu, querida.

    Samara Bassi

    ResponderExcluir
  2. Déborah, esse é o poema mais incrível que eu li nos últimos tempos. Sem contar a enorme identificação. Simplesmente amei.

    ResponderExcluir
  3. Tocante.

    Tão poucas linhas e tanto significado.

    Bjos =)

    ResponderExcluir
  4. Um poema tão pequenino mas tão preciso.
    Desses que tu lê e depois suspira inevitavelmente...
    O poder da palavra é o único que não torna egoísta quem o possui.

    PS: Obrigada por seu ultimo comentário, até comentei lá de volta.

    <3

    ResponderExcluir
  5. Sobre se encaixar nessa ruína: eu sei.

    ResponderExcluir

À você, um sorriso capaz de derreter o mais frio dos corações.