19 de ago de 2014

PEITO SEM.

Ilustração: Agnes Cecile


Eu vim de longe
E preciso ir
Embora
Peça para que me tragas de volta.

"E o meu caminho 
e o teu caminho
é um nem vais,
nem vou".

Esse silêncio indecente, 
Na vulgaridade do ato, 
É só mais um amor 
Que morre de repente.



* Trecho da canção "Mãe" de composição de Caetano Veloso.

11 comentários:

  1. Ah, esses amores que morrem de repente, e que ainda assassinam um pouco ou muito de nós...
    Causa dor, mas também causa a poesia.
    E tu me causou a amplitude da admiração que tenho por ti, depois que li isso.

    ResponderExcluir
  2. Esse uso do "embora" foi genial. Sua poesia é genialíssima! Dolorosa...

    ResponderExcluir
  3. Ah, sempre acho que amor não morre de repente. A gente que só percebe quando o cadáver está fedendo de mais. Aí se assusta e acha que foi da noite pro dia.

    ResponderExcluir
  4. Amores fortuitos tropeçam nas curvas dos caminhos... Sempre doloroso sentir. A queda.

    Bonito poema!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. o verbo trazer sempre foi interessante do ponto de vista latino - e podemos dizer
    que depois de Dante estabelecer um padrão universal e dali tudo derribar, essa necessidade curiosa de ter que do inferno ao céu e vice-versa - passar rapidamente pelo purgatorio ou la viver eternamente (como gostam os existencialistas franceses)...a primeira pessoa no presente indicativo dá essa sensação de aspirar essa fumaça (de novo aspirar - é alçar um sonho ou respirar o pó?) que vem la do latim trahere que tem o siginificado de trazer as coisas consigo, no peito, intimas mas também o de deixar cair, distrair, ou diminuir, subtraindo (dis-trahere e ex-trahere) que também se liga ao trato, jeito como se lida, se toca - o contato - e nisto o afeto - todo verbo, toda ação, já "traz" consigo a sua antonímia - e no percurso do amor isso é muito mais evidente, desta carga que em algum momento cair das mãos de repente

    um abraço

    ResponderExcluir
  6. As canções de Caetano Veloso são tão profundas e poéticas que nem as do Chico Buarque. Essa eu ainda não conhecia. Beijos

    ResponderExcluir
  7. O que seria do amor se não morresse? O que seria do amor se não renascesse? Somos cheios disso, morremos para renascer!
    Uma pitada de Caetano Veloso sempre é uma pitada boa.

    ResponderExcluir
  8. Ah, Dé! Essas (re)voltas me reviram aqui dentro.

    Beijo n'alma,
    Samara Bassi.

    ResponderExcluir
  9. todo silêncio
    excita, suscita
    o amor - que é vício
    nos causando a overdose
    do desejo que nos mata lentamente.

    ResponderExcluir

À você, um sorriso capaz de derreter o mais frio dos corações.