7 de jan de 2016




Me disseram do amor, 
essa parcela de pólvora consumida 
célere
na ponta dos teus cigarros. 

Tardes vermelhas

Um fogo
Fátuo
ruindo
agora

Enquanto
lá fora 
venta
mas já não
voo.

6 comentários:

  1. Me vi fogo,
    sendo vento,
    raio e trovão.
    Fumacê etéreo, menina
    cria é raízes no coração.

    Lindeza toda é você! <3

    Beijo n'alma,
    Samara Bassi

    ResponderExcluir
  2. Que delícia, é como uma fumaça, sutil. Sua poesia.

    ResponderExcluir
  3. já não voo - e já não vou. no fim, é um sentimento antigo que sobra, ardendo no peito como os dedos dessa sua poesia vermelha.

    saudades daqui, suas palavras são refúgio.

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Na ponta dos cigarros há pólvora, mas também existem cinzas.
    Não deixe teu amor te prender. Tua poesia é muito bonita.

    ResponderExcluir
  5. Que layout bonito!

    As palavras mais ainda.
    Tua delicadeza é fluente.

    ResponderExcluir

Devagar, escreva uma primeira letra, escreva nas imediações construídas pelos furacões. (Ana Cristina Cesar)